• Comissão recebe secretária para avaliar cenário da Saúde em SC

Comissão recebe secretária para avaliar cenário da Saúde em SC

18 Abr, 2024 10:25:17 - Saúde

Florianópolis (SC)

A Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa acompanha o cenário da saúde em Santa Catarina e monitora desafios do setor, como a alta na ocupação de leitos de UTI, e na procura por serviços de emergência, a fila das cirurgias eletivas e o cenário epidemiológico atual.

Nesta terça-feira (16/4/2024) o colegiado recebeu a secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto, que apresentou as estratégias adotadas pelo governo do Estado no enfrentamento dessas demandas.

A secretária veio a convite do presidente da Comissão, deputado Neodi Saretta (PT).  “Propomos esse debate porque reconhecemos os esforços da Saúde, mas precisamos dar voz a quem está na ponta e vive a angústia da procura por atendimento na emergência, da espera por uma cirurgia, por exemplo”, destacou Saretta.


Uma das preocupações do Estado é com a taxa de ocupação dos leitos de UTI, que chegou a 94,14%. “Desde janeiro do ano passado abrimos 163 leitos, entre adultos, neonatais e pediátricos e continuamos trabalhando pela ampliação. Estes leitos são permanentes e já estão à disposição da população, permitindo que os pacientes não precisem esperar por uma vaga e, se houver esta necessidade, a unidade hospitalar inclui a descrição clínica do paciente no Sistema de Regulação de Leitos e a partir deste sistema, na indisponibilidade de leito naquele município ou região, o Estado faz a transferência do paciente”, explicou Zanotto.

Com relação aos leitos hospitalares clínicos, a média de ocupação gira em torno de 60% e, segundo a secretária, além de adequações na infraestrutura dos hospitais, o Estado também atua na ampliação dos leitos que recebem, entre outras demandas, a de pacientes acometidos pela dengue.

Dengue em SC

Em Santa Catarina, que ainda está com Decreto de Emergência vigente, o pico da dengue foi registrado no fim de março e a expectativa é de que a doença tenha chegado a um platô.

Em 2024, o número de casos prováveis de dengue aumentou 185% em relação ao ano passado. Dos 295 municípios catarinenses, 270 tiveram notificação de casos prováveis. As regiões com maior complexidade são a Nordeste, Vale do Itajaí e Oeste. 83 mortes foram registradas no estado em 2024, e outras 36 estão em investigação.

Entre as ações para o controle da doença, a secretária de Saúde destaca a retirada de veículos dos pátios do Detran, a mobilização do dia D, com eliminação semanal dos focos do mosquito Aedes aegypti em residências, espaços e instituições públicos, a distribuição de inseticidas e de materiais informativos, além da realização de campanha publicitária.

“Nós acreditamos que neste momento a gente estabilizou a doença, mas não podemos facilitar, precisamos manter a vigilância permanente em nossas casas e espaços públicos”, alertou Carmen Zanotto.

Com relação à cobertura de vacinação contra a dengue, a região de Joinville, que foi a primeira a receber as doses ofertadas pelo Ministério de Saúde, atingiu 29,77% do público alvo, que são crianças com idades entre 10 e 14 anos.

“Recentemente o Estado recebeu uma nova remessa de vacinas, que estão sendo aplicadas na região da Grande Florianópolis, porque mesmo com as doses disponíveis, a cobertura ainda está muito baixa e nós temos o grande desafio de chegar em cada uma destas crianças de 10 a 14 anos”, frisou.

Doenças respiratórias

Zanotto também fez um apelo aos grupos prioritários da vacinação contra Influenza, para que procurem as unidades de saúde.  “As doenças respiratórias chegaram mais cedo este ano e nós já temos 2.250 notificações de síndromes respiratórias, principalmente entre as crianças e idosos, por isso que a gente precisa insistir na vacina da gripe, que chegou com 15 dias de antecedência no estado.”

Com mais de 3 milhões de doses disponíveis, Santa Catarina vacinou apenas 20,02% do público alvo. “Nosso grande apelo é para que as pessoas se vacinem. Por que temos o público alvo? Porque este é o que mais adoece e mais vai a óbito, que são as nossas crianças, idosos e pessoas com comorbidades. Então precisamos ampliar essa cobertura vacinal e este é o trabalho intenso que estamos fazendo junto aos municípios para que a vacina chegue ao braço de quem precisa receber.

Cirurgias eletivas

Sobre as cirurgias eletivas, a secretária acrescentou que caso seja necessário, o Estado poderá, conforme a região, reduzir a realização destes procedimentos para priorizar a internação de casos emergenciais em decorrência de complicações respiratórias.

Segundo ela, o governo realizou, desde o início da gestão, 422.810 mil cirurgias eletivas. “No ano passado, nosso recorde foi registrado no mês de agosto, com 12.615 procedimentos e em março deste ano nós praticamente já batemos esta média, com 12.160 cirurgias. A tendência, se não tivermos que reduzir estes procedimentos, é continuarmos num gráfico de crescimento porque este mês já realizamos 7.023 cirurgias”, finalizou.

Avaliação

O presidente da Comissão de Saúde, deputado Neodi Saretta, avaliou que as estratégias apresentadas pela pasta dão resultado, mas reforçou que os problemas existem, e por isso o colegiado seguirá cobrando ações na área.

“Queremos que haja envolvimento das secretarias municipais e de Estado da Saúde, do Ministério da Saúde. Estes esforços precisam ser de todos e a nossa expectativa é ver na prática, resultados em favor da saúde dos catarinenses. Trazemos a voz daqueles que sofrem e precisamos verificar o que está sendo feito agora e especialmente nos próximos meses, quando teremos o pico das doenças respiratórias, por conta da aproximação do inverno ’’.

Também participaram da reunião os deputados Dr. Vicente Caropreso (PSDB), vice-presidente da Comissão, Lucas Neves (Podemos), Emerson Stein (MDB) e Maurício Peixer (PL).

ASSESSORIA DE IMPRENSA

REDAÇÃO JINEWS
Postado por REDAÇÃO JINEWS

Tudo o que acontece em Içara, Balneário Rincão e na região você encontra primeiro aqui!

EXPRESSO COLETIVO ICARENSE
Cooperaliança