Coluna de Elza de Mello - 24 de outubro/2019

23 Out, 2019 20:57:49 - Colunistas

Içara Nossa Terra Nossa Gente – Matizes Açoriano (31)

Domingo passado, dia 20 de outubro, aconteceu a primeira missa na capela de Santa Edwiges, a padroeira da comunidade de Lombas. Mas antes que fosse iniciada a construção da capela à Santa Edwiges, uma serie de fatos e de feitos aconteceu. Foram muitas mãos a dobrar e desdobrar o tecido social onde foi bordado o sonho daquela comunidade. E até mesmo outros planejamentos aconteceram na época. Mas foi Lombas quem aderiu e quem teve mais possibilidades para a construção final da casa à santa de Santa Edwiges. Com a construção do centro comunitário Arino Jovino Fernandes em Lombas, as margens da

SC444, Padre Silvestre passou a presidir missas ali na comunidade, na década de 90. Em seguida a população de fé católica, organizou-se para ter o seu orago e já organizaram a partilha do dízimo e as pastorais leigas. Trabalhando com entusiasmo, receberam de Padre Silvestre uma pequena imagem de Santa Edwiges, quando falou de seu carinho pela Santa, que tem o mesmo nome de sua mãe. Dalvânia Pereira Cardoso e Mário Prudêncio mostravam-se muito entusiasmados e liderando aos fiéis da localidade, decidiram ter Santa Edwiges como a sua padroeira. Porém não tendo espaço junto ao salão comunitário, também não conseguiram um terreno apropriado no lugar para fazer a capela. E veio a oferta do terreno do outro lado da rodovia. Embora alguns moradores não aceitassem que a capela fosse construída do outro lado da rodovia, um pouco distante do centro comunitário, a maioria aprovou e tudo passou a se realizar nas propriedades de seu Inerci Marcelino, na garagem do caminhão de Jair Marcelino. Na residência de seu Inerci, sob os cuidados de sua filha, a Nem, a imagem de Santa Edwiges foi entronizada e foi cuidada com zelo pela família.

Com a oferta do terreno por Cecília Fernandes e Vagner do Nascimento, situado as margens da Rodovia Donato Bernardino da Silva, a capela foi construída e domingo teve a sua primeira festa em honra a sua padroeira, Santa Edwiges. Fazia dois anos que Dom Jacinto, Bispo da Diocese São José, ali estivera para a bênção da pedra fundamental e domingo relembrou com carinho a força do trabalho e a união da comunidade ao abraçar a ideia da construção dessa capela. Teve elogios a quem está perto e debruçou-se no trabalho, mas o Bispo Dom Jacinto não esqueceu o mentor da realização do ultimo domingo, Padre Silvestre Junkes. Mais uma obra pensada pelo Padre Silvestre e concretizada para nossa alegria.

Depois da missa fomos almoçar onde costumeiramente são realizadas as gastronomias de festas e outros eventos da comunidade, a propriedade, agora de Jair Marcelino. Seu Inerci não viu a obra concluída. Já idoso foi ao encontro da esposa e deixou ali na casa da família a Nem, guardiã da memoria familiar e das saudades de quem já partiu. O almoço estava muito bom e seguiu-se com a alegria de Mário Prudêncio, anunciando os arremates. Muitas prendas a ser vendida, reses que fizeram a alegria da tarde com os muitos palpites e lances dos participantes da festa. Já é uma tradição os arremates nas festas de zonas rural. Não tem como sair com as mãos vazias de uma festa onde tudo está para ser partilhado, já que são dadivas em resultado de graças alcançadas.

A tarde corria na pequena localidade que destaca a sua igreja à Santa Edwiges entre o tom verde das varias roças bem cuidadas. Lombas destaca-se por sua agricultura familiar e é uma fornecedora da alimentação escolar da rede municipal de ensino. Dali avistava-se os vários tons de verde das verduras cultivadas, em contraste com a felicidade do povo de Lombas. Parabéns a toda a comunidade e que Santa Edwiges os abençoe generosamente a este povo aguerrido e cheios de esperanças nas dádivas de Deus.

ELZA DE MELLO
Postado por ELZA DE MELLO


Cooperaliança