Coluna de Elza de Mello - 21 de junho/2017

21 Jun, 2017 15:22:44 - Colunistas

IÇARA NOSSA TERRA NOSSA GENTE (2014)

Amanhecemos hoje na estação de inverno. E como  o inverno tem suas características muito marcantes, o dia trouxe um sol presente, embora com o seu arzinho frio de arrepiar a pele. E conforme nosso mago da meteorologia da Estação Experimental da Epagri de Urussanga, Marcio Sônego, nos próximos três meses deve manter a média de 9°C durante a madrugada e inicio da manhã, e a máxima de 23°C à tarde. Segundo ele, será um inverno com condições normais para o nosso clima tropical e teremos o menor volume de chuvas do ano.E como o inverno sempre traz mais proximidade entre as pessoas, mais procura pelo calor humano, é normal que a sala de professores reúna a todos em volta da garrafa de café quente. Um cafezinho para aquecer o coração. Como gostamos de afirmar. E nesse momento de conversa, é comum debatermos sobre os mandos e desmandos da administração. Especialmente os rumos que a educação vai tomando nos últimos dias de reformas. Não há quem não se sinta inseguro e, de preferência, indignado com as manobras que se presencia. Para mais estressar o professor, há toda a problemática atual  do aluno que não se sente com vontade de estudar, não tem responsabilidades com trabalhos, dias letivos e outros deveres de quem estuda.  Quem trabalha pensa que pode chegar a hora que bem entender e sem o uniforme escolar. Em suma, um ditador das aulas do professor e, geralmente, protegido pelos pais e seus direitos do ECA.

O professor, por sua vez, confrontado pelo aluno reclama com a direção. Quer que a direção molde o aluno para que ele assista a sua aula e tenha rendimento nas avaliações. Afinal, é preciso notas para ser aprovado. Mas ele não entende que é o professor e deve manter o seu domínio fazendo acontecer a atividade em sala de aula. Não é permitido tirar o aluno da sala, afinal ele veio para ter aulas e não para ficar retido na secretaria porque está atrapalhando ao professor e colegas. Especialmente aos colegas que tem vontade de aprender e não conseguem devido o comportamento desses maus alunos.Muitas vezes me questiono os rumos que a educação está tomando. Se de um lado há o desinteresse do governo para com a educação. Há também o desinteresse do professor pela sua profissão. Vejo a ganância por feriados, especialmente as emendas de feriados. Esquecem que para haver aprendizagem, as aulas são fundamentais. Sem aulas e explicações não vai haver aprendizagem. Há professores que expõe em alguns minutos o seu assunto e querem que o aluno domine-os. Será que desconhecem que o processo de aprendizagem passa por estágios marcantes na vida do aluno, ou de todos nós que desejamos aprender algo novo? O simples ato de apresentar o conteúdo ao aluno não vai além do estagio de intuição. E como ficam os outros estágios que precisa ser avançado para haver a aprendizagem real? Depois de haver a aprendizagem, que demanda algum tempo de trabalho para ficar internalizada, é que poderá ser aplicada como um conhecimento apreendido. E se não for assim, é mesmo que entrar por um ouvido e sair pelo outro, como costumava dizer minha mãe.É certo que somos sempre aprendentes e ensinantes. Professores e alunos deixam de si e absorvem do outro, sem dúvida. O que não pode é o professor se colocar no mesmo nível do aluno. Parece que ambos disputam a atenção do Diretor. Esquecem que é preciso haver um distanciamento entre ambos. Professor precisa ser exemplo  para que seu aluno tenha onde se mirar.     

ELZA DE MELLO
Postado por ELZA DE MELLO


JInews