• Coluna de Elza de Mello - 12 de junho/2018

Coluna de Elza de Mello - 12 de junho/2018

13 Jun, 2018 10:02:47 - Colunistas

IÇARA NOSSA TERRA NOSSA GENTE (236)

No Brasil, a data é comemorada no dia 12 de junho por ser véspera do 13 de junho, Dia de Santo Antônio, santo português com tradição de casamenteiro, provavelmente devido suas pregações a respeito da importância da união familiar.É exatamente durante o namoro ou em uma amizade profunda e real que temos a oportunidade de conhecer o outro e de nos conhecermos por dentro.

Fora do Brasil, especialmente em Portugal e Europa, o Dia dos Namorados é celebrado em 14 de fevereiro, data também conhecida como Dia de São Valentim. E embora a tradição do santo casamenteiro no Brasil seja Santo Antônio, em Portugal é São Valentim.

Diz a lenda que, na Idade Média, existia um bispo chamado Valentim que lutou contra as ordens do imperador Cláudio II, que naquela época havia proibido o casamento durante as guerras, pois acreditava que os solteiros eram melhores combatentes. Valentim, porém continuou celebrando casamentos, sendo que até ele mesmo se casou secretamente, mesmo com as proibições. MasValentim foi descoberto, preso e condenado à morte, porém, enquanto estava preso, muitos jovens davam flores e bilhetes dizendo que ainda acreditavam no amor.Enquanto aguardava na prisão o cumprimento da sua sentença, ele se apaixonou pela filha cega de um carcereiro e, milagrosamente, devolveu-lhe a visão. Antes da execução, Valentim escreveu uma mensagem de adeus para ela, na qual assinava como “Seu Namorado” ou “De seu Valentim”. 

A Igreja Católica decretou o Dia de São Valentim como Dia dos Namorados ainda durante o século X, com o intuito de incentivar os casais que pretendiam seguir com o matrimônio como uma forma "legítima" de constituir uma família.A intenção da Igreja era substituir o tradicional festival romano Lupercalia - que consistia na veneração da deusa da fertilidade e marcava o início da Primavera - pelo Dia de São Valentim, visto que o culto aos outros deuses foi proibido pela Igreja em meados do século V. Assim, aos poucos, os povos da Europa começaram a substituir a celebração profana pelo Dia dos Namorados. No entanto, no final do século XVIII a Igreja Católica retirou o Dia de São Valentim do calendário religioso, visto que não existiam provas históricas concretas da existência de São Valentim. Mas, a data permaneceu como uma celebração popular. Razão para no Brasil, com a sociedade organizada após o século XVIII, não termos São Valentim, mas Santo Antônio como o Padroeiro dos namorados.

 Parabéns aos jovens e apaixonados  namorados e a nós casados, que somos os eternos namorados.

ELZA DE MELLO
Postado por ELZA DE MELLO


Cooperaliança